ONG Teyque’-pe’ forma novas lideranças ambientais em Piraju

 


Projeto vai oferecer, gratuitamente, curso para 24 adolescentes de escolas públicas

Em parceria com o Instituto Aqualung e o grupo Mulheres do Brasil, a Organização Ambiental Teyque’-pe’ vai formar 28 líderes ambientais: quatro integrantes da ONG e 24 jovens oriundos de escolas públicas de Piraju. Espera-se que após a formação, os líderes atuem nas ações do Dia Mundial da Limpeza e promovam novas atividades no município voltadas para a preservação do meio ambiente e promoção de cidadania.

O curso será oferecido de forma remota pelo Instituto Ecológico Aqualung para Preservação Marinha e abordará temas relacionados à sustentabilidade como gestão de recursos hídricos, gestão de resíduos sólidos, elaboração de projetos socioambientais, entre outros.

TRABALHO EM GRUPO

A ideia de oferecer o curso para jovens pirajuenses partiu da ativista e aromaterapeuta Maria Luiza “Isa” Cerveira, que também compõe o grupo Mulheres do Brasil. Isa e o vice-presidente da Teyque’-pe’, Marco Mello, percorreram o comércio e escritórios da cidade em busca de patrocínio de modo que os futuros líderes ambientais pudessem fazer o curso gratuitamente.

A seleção dos jovens se deu por intermédio dos também ongueiros Vanessa Córdoba, Fábio Martins (professores da rede pública estadual) e Ana Flávia Lima, assistente social. Vanessa e Fábio selecionaram alguns de seus alunos e Ana intermediou o contato entre a Teyque’pe’ e a Guarda Mirim Constantino Leman: onze dos inscritos no curso são atendidos pela unidade.

“Todos os agradecimentos e congratulações à Isa e ao Mello pela vontade e determinação em oferecer esse curso para jovens de Piraju. Agradeço também a todos os patrocinadores que confiaram na iniciativa da ONG e aos próprios jovens, que se inscreveram e que estão dispostos a atuar pelo meio ambiente nesse agir local. Espero que esse trabalho renda muitos frutos e muitos bons resultados para nossa cidade”, afirma a presidente da ONG, Naomi Corcovia.

O aluno Derek Maciel Duarte Berci, 15 anos, inscrito pela Guarda Mirim, afirma que se sente muito feliz e agradecido por fazer parte do curso. Ele espera se aprofundar no aprendizado sobre as coisas da natureza e meio ambiente colaborando com o planeta. Vê o curso como uma oportunidade a mais que a Teyque’-pe’ ofereceu para os jovens e para a natureza sobreviverem.

Fonte: Assessoria de Comunicação da TEYQUE'-PE'



NOTA DE ESCLARECIMENTO e POSICIONAMENTO

 



       Foto: Paulo Viggu


DIANTE de comentários e dúvidas direcionados de forma CAPCIOSA e IRRESPONSÁVEL para a ORGANIZAÇÃO AMBIENTAL TEYQUE'-PE' (OAT) nos últimos dias em razão das obras de ampliação do vertedouro da UHE Paranapanema realizadas pela Enel Green Power, ESCLARECEMOS que:

1- A ORGANIZAÇÃO AMBIENTAL TEYQUE'-PE' (OAT) jamais se "OMITIU” em relação à referida obra. Embora muitas de nossas ações não sejam divulgadas nas redes sociais, no dia 2 de janeiro deste ano, quando as obras se iniciavam, a presidente da ONG encaminhou ofício à Enel e à Prefeitura de Piraju solicitando cópias de estudos e das licenças ambientais que deram aval ao projeto. Somente a partir da provocação desse ofício, a Enel Green Power instalou as placas informativas sobre o empreendimento na cabeceira da ponte.

2- A ONG TEYQUE'-PE' não tem qualquer poder deliberativo ou consultivo nas ações da prefeitura Piraju. Somos uma Organização cujos membros pertencem à sociedade civil, bem como qualquer outro cidadão. Quando se observou a necessidade de realização da ampliação do vertedouro, a ONG TEYQUE'-PE' NÃO FOI CONSULTADA, NEM MESMO COMUNICADA (e mesmo em caso contrário, a organização não teria poder para paralisar ou derrubar a obra).

3- Modos de ficarmos sabendo da obra seriam por meio das reuniões do Conselho Municipal de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (CMAPC), em que a OAT ocupa uma cadeira, ou por meio de AUDIÊNCIAS PÚBLICAS convocadas pela empresa e prefeitura. Porém, desde que a pandemia se instalou, em abril de 2020, o CMAPC jamais voltou a se reunir, tampouco virtualmente, minando qualquer possibilidade de esclarecimento, comunicação ou divulgação de notícias por parte da prefeitura aos conselheiros. AUDIÊNCIAS PÚBLICAS, segundo informações da ENEL na reunião do dia 12 de agosto, também não foram realizadas e nem mesmo consideradas fundamentais porque o impacto da obra foi considerado “baixo” pelos órgãos licenciadores e reguladores.

4- A ampliação do vertedouro se fez necessária em razão da SEGURANÇA da barragem. Não se trata de um projeto voltado para ampliação da geração de energia da UHE Paranapanema, muito menos uma “usina dentro da usina”. Essa obra NADA TEM A VER com a preservação dos últimos sete quilômetros de corredeiras do Rio Paranapanema. Ou seja, independente das consequências estéticas do novo vertedouro para o cartão postal de Piraju, a necessidade de se defender e proteger as corredeiras continuam iguais e a TEYQUE'-PE' ressalta que QUALQUER EMPRESA BARRAGEIRA QUE PRETENDA CONSTRUIR NOVA USINA NO TRECHO DE CALHA NATURAL DO PARANAPANEMA SERÁ TRATADA COMO INIMIGA.

5- LAMENTAMOS que a imprensa de Piraju, especialmente os jornais impressos (que agora operam em modo PDF), não tenham buscado informar a população a respeito da obra de ampliação do vertedouro antes que ela começasse. Essa mesma imprensa que volta e meia faz provocações ao movimento ambientalista local, nos acusando de omissão, NÃO PRESTOU UM SERVIÇO INFORMATIVO RELEVANTE À POPULAÇÃO PIRAJUENSE, limitando sua atuação à publicação de informes publicitários e “press releases” todos, certamente, muito bem pagos pela Enel Green Power. Destacamos os comentários feitos na coluna “Faro Fino” do jornal Observador no dia 7 de agosto, em que o jornal, ao informar sobre a reunião do dia 12, declarou “esperar que as ONGs estivessem presentes”. A TEYQUE'-PE' não somente esteve presente em todas as reuniões promovidas pela Enel desde fevereiro de 2021, como também não tomou conhecimento de nenhum conteúdo bem elaborado pelo referido jornal e mais: jamais encontramos quaisquer representantes do jornal em nenhuma reunião sobre o acompanhamento de empreendimento e jamais fomos questionados formalmente por esse veículo sobre qualquer assunto.

6- LAMENTAMOS também que a prefeitura de Piraju tenha usado a passarela, que a Enel fará na ponte, na campanha eleitoral de reeleição de José Maria Costa sem ter pronunciado qualquer palavra sobre a ampliação do vertedouro e sobre as consequências do empreendimento para o visual da cidade e para os peixes (destacando que a obra começou em plena piracema, pegando toda a população de surpresa). Se essa obra tivesse sido discutida em AUDIÊNCIAS PÚBLICAS ou informada a tempo nos conselhos municipais, poder-se-ia ter promovido um debate sobre outros tipos de vertedouros de visual menos agressivos e também um possível novo momento para o início da obra.

ENTENDEMOS, portanto, que Enel e prefeitura de Piraju FALHARAM nos quesitos INFORMAÇÃO e TRANSPARÊNCIA referentes à ampliação do vertedouro, bem como a imprensa local, que, mal informada e privada de notícias (como toda a população), se sente no direito de alfinetar os ambientalistas dessa Organização que, há 20 anos, dedicam seu tempo, seus esforços e estudos, voluntariamente, EM PROL DA DEFESA DO MEIO AMBIENTE de Piraju.

RESSALTAMOS que a equipe de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Enel Green Power fez mea culpa e buscou modos, pós ofício, de manter canais de comunicação com os ambientalistas e líderes locais a respeito da obra. Em contrapartida, nenhuma palavra veio da prefeitura e muito menos do colunista oculto do jornal Observador. 

Estância Turística de Piraju-São Paulo, 14 de agosto de 2021


NAOMI OLIVEIRA CORCOVIA

Presidente

TEYQUE'-PE' comemora 20 anos de lutas !


















ONG TEYQUE'-PE' está de cara nova! 

O peixe virou CARDUME, mas o amor por PIRAJU segue o mesmo de 20 anos atrás. Temos o prazer de apresentar nossa nova logomarca, que mantém as cores da original e que transformou o peixinho num bando de peixinhos, em homenagem a toda nossa equipe - incluindo você que sempre apoio nossa luta e nos segue por aqui !

Além da logo repaginada, apresentamos o SELO COMEMORATIVO dos 20 anos de lutas da TEYQUE'-PE', com direito a peixe e folhinhas, misturando água, terra e todo o atual momento que estamos vivendo. 

Obrigada ao ambientalista André Degelo (@degeloandre) pela releitura e criação da nova identidade visual da ONG. 

Obrigada aos fundadores e a todos que já passaram pela TEYQUE'-PE' e lutam pela preservação do rio PARANAPANEMA e do MEIO AMBIENTE de Piraju! 

E obrigada a vocês todos por tudo, sempre !


Naomi Corcovia

Presidenta


#chegadeusinaempiraju

#eusoudoriodepiraju

#rioparanapanema

#teyquepe 

#piraju

#oat 

#teyquepefaz20anos 

#logooat

***Siga-nos no Instagram 

https://www.instagram.com/p/CSHbWBrnC2v/?utm_medium=share_sheet

***Visite e compartilhe nossa página no Facebook

https://www.facebook.com/organizacaoambientalteyquepe

OS BARRIGAS AMARELAS !

 

Chega de usina em Piraju!

*Fernando Franco Amorim

Especial para o 360

Sim, somos Barrigas Amarelas”, Teyque-Pe, Kaiowá com muito orgulho! Nascemos e fomos criados dentro do “Panema” e, o rio, como diz o poeta “nos atravessa por inteiro e fica na memória”. Hoje, quando se comemora o aniversário de Piraju, os homenageados são, além do padroeiro São Sebastião e a cidade, também o povo bravio e íntegro desta cidade linda que luta incansavelmente para preservar, conservar e proteger este que é o maior patrimônio ambiental, histórico e cultural da Estância: o rio Paranapanema.

As raízes ambientalistas dos pirajuenses são profundas e fortes. Desde a década de 70, da infeliz tentativa da Braskraft de destruir o rio, os “Barrigas Amarelas” lutam para manter a integridade das corredeiras do Paranapanema. O rio está tão entranhado no pirajuense, que molda nosso modo de “ser” e “ver o mundo”, através de suas águas lóticas verde-esmeralda, de suas corredeiras cheias de histórias, repleta de vida e pedras basálticas, de margens de um verde tão intenso que nos dá muita paz e força espiritual para prosseguir lutando.

Quem são afinal os “Barrigas Amarelas” que estão por toda parte? São todas as pessoas, nascidas ou não em Piraju, que têm no coração o amor incondicional por esta cidade incrível e pelo rio que atravessa a cidade ao meio, deixando um rastro de beleza cênica inigualável e lugares incríveis a serem descobertos. 

O “Panema”, tão ferido por 11 barragens de usinas hidrelétricas em seu curso, é a identidade cultural do pirajuense, é a nossa cara, é o nosso “eu” mais explícito, nosso rumo nesse mundo sem prumo que estamos vivendo atualmente. É nosso porto seguro. É nossa esperança em dias melhores. Há um tanto de nós naquelas águas que vão abrindo caminho rio abaixo. Somos parte desse rio e ele é parte de nós.

Esse rio de inspirações e de tantas “canções de rio”, música molhada nos trastes do violão do poeta, do cancioneiro, brisa de rio no peito aberto ao sol, naquele cartão postal que se abre diante de nós todos os dias. Por isso, o rio é tão importante para o povo de Piraju. Somos devotos de São Sebastião e desse rio que nos enche de alegrias e de emoção com amor e muito sentimento o tempo todo. É assim que esse rio age em nossos corações e mentes.

Sua natureza e seu simbolismo está em nós desde sempre, desde o aldeamento dos índios guaranis Kaoiwás que habitavam às margens do Salto do Piraju, local conhecido como Garganta (no Parque da Fecapi) e que é considerado a certidão de nascimento de Piraju, antigamente chamada São Sebastião do Tijuco Preto, que era um peabyru, ou seja, antigas trilhas indígenas que serpenteavam ao longo do Vale do Paranapanema. Eles buscavam o caminho de entrada (Teyque-Pe) para a “Terra sem mal”, onde poderiam finalmente viver em paz e livre da perseguição dos “homens brancos”.

Atravessamos a imensidão para defender nosso modo de viver e sentir esse rio de nossas vidas. Criamos leis para proteger sua essência e estamos sempre atentos aos invasores e barrageiros sem escrúpulos, que querem a todo custo, destruir seu curso natural, barrando suas corredeiras. A cidade está no rio e o rio está na cidade, atravessa a cidade ao meio, impregnando sua gente com sua beleza, sua força e seu movimento rio abaixo.

Nas escolas municipais as crianças aprendem a amá-lo através de uma extensa e importante grade curricular sobre a história desse rio que se confunde com a própria histórica da cidade, numa clara demonstração de que tudo está interligado na natureza. Um exemplo de cidadania ambiental sem precedentes no mundo. Uma força nobre e eficaz que lança luz e respeito à natureza e ao ser humano, onde os educadores e professores pirajuenses, por meio da transversalidade do método ensino-aprendizagem, vivências e saberes, são como agricultores a lançar sementes de amor nessa terra fértil, que é o coração de uma criança ávida por conhecimento e saber.

Hoje celebramos a natureza integradora do rio Paranapanema na vida da comunidade “Barriga Amarela”. O rio está nas canções, nos poemas, na pintura, nas artes em geral e no imaginário do pirajuense, onde quer que ele esteja no mundo.

Em uma de suas “canções de rio” mais significativas, o poeta e músico pirajuense Paulo Viggu sintetiza de forma inequívoca o senso de pertencimento dos “Barrigas Amarelas” em relação ao rio e à posição clara da população quanto à destruição de suas corredeiras por mais uma usina hidrelétrica (basta, já temos muitas!), quando canta: “O rio daqui é meu. O rio daqui é seu. Mas gosto mesmo é quando a água passa e vai embora”.

Por isso, os “Barrigas Amarelas” gritam: Chega de usina em Piraju!

 

*Biólogo, jornalista, ex-presidente da Organização Ambiental Teyque-Pe (OAT)

francopiraju@gmail.com 

Artigo original em homenagem aos 141 anos de PIRAJU-SP e 160 anos da Festa do Padroeiro São Sebastião para o Jornal 360, edição 180, pagina 5, Santa Cruz do Rio Pardo-SP

https://issuu.com/caderno360/docs/360_ed180_jan2021

Foto: Fernando Franco Amorim

Siga e compartilhe nossas páginas no Facebook e Instagram: 

https://www.facebook.com/teyquepe

@teyquepe

@pirajulixozero